Gangnam Style, Latino e a Educação Brasileira

O mais novo hit da música mundial veio lá do outro lado do mundo, com língua quase impossível de se pronunciar e entender e é cantado por um rapper gordinho em um clipe aparentemente sem noção. Em contrapartida, aqui no Brasil, esta mesma canção foi copiada e deturpada pelo cantor pop/funkeiro Latino.

Na canção original, chamada Gangnam Style (estilo Gangnam), cantada pelo rapper Psy, busca-se “uma mulher elegante que saiba apreciar um convite para um café”, “uma mulher que é sexy, mesmo sem se mostrar muito” e que se interesse por “um cara que tem mais idéias do que músculos”.

A versão “latina”, porém, segue por outro viés. Aproveitando apenas do ritmo, o cantor brasileiro transformou Gangnam Style em Despedida de Solteiro. E os versos – com o perdão da palavra – na mais pura putaria. Deixa-se de lado a mulher ideal para poder aproveitar uma despedida de solteiro, “laçar, puxar, beijar”, ver “as minas todas nuas”, “de bumbum pra lua”.

Comparação das Letras (clique para ampliar)

Mas de onde mesmo é esse tal de Psy? Ah, é verdade, ele é da Coréia do Sul. É só um minúsculo país lá do outro lado do Pacífico, que tem uma irmã siamesa problemática. É só um país que já foi invadido pelos japoneses e ocupado por quatro anos. É só um país que foi espremido entre EUA e URSS, foi dividido em dois e reduzido a quase nada durante a Guerra da Coréia, na década de 1950. Mas é também o país que mais investiu em educação nos últimos 50 anos e que, devido a isso, deixou no passado toda a destruição que sofreu e é hoje uma potência tecnológica, com um dos mais altos Índices de Desenvolvimento Humano (IDH) do mundo. Em 2006, no ranking do Programa Internacional de Avaliação dos Alunos, os sul-coreanos ficaram em primeiro lugar na resolução de problemas, terceiro lugar em matemática e décimo primeiro em ciência. O sistema educativo está tecnologicamente avançado e foi o primeiro país do mundo a equipar todas as suas escolas primárias e secundárias com Internet de banda larga. Com esta infraestrutura, a Coréia do Sul tem desenvolvido os primeiros livros didáticos digitais no mundo, que serão distribuídas de forma gratuita aos estudantes do ensino primário e secundário até 2013.

Opa, mas calma lá. Toda essa tempestade por causa de uma música? Não seria demasiado exagero? Não, não seria.

Psy e Latino têm um mesmo nicho de público – os jovens e os adolescentes. Ambos fazem músicas divertidas e agitadas, com coreografias animadas, que servem para embalar qualquer festa. Entretanto, enquanto o sul-coreano conversa com um público consciente e – porque não? – honrado, Latino precisa falar sobre a “realidade” brasileira, ou seja, “vou ser um vagabundo que anda pelas ruas em busca de sexo fácil e faço das mulheres o que eu bem entendo”… mais ou menos por aí

E tudo isso é reflexo da educação e do desenvolvimento cultural e social do público. Enquanto os coreanos aceitam com facilidade um rapper com responsabilidade social, os brasileiros insistem no funk da sacanagem. Uma sociedade bem educada presa por valores que vão além do “puxar, beijar, vou te pegar… eu quero sexo pra galopar”. Um jovem bem educado valoriza a si mesmo e sabe valorizar os demais à sua volta, sem tratar como objeto aqueles que o rodeiam, sem se prestar à orgia como um modo natural de diversão.

Outro fator importante é o comércio cultural. Com cultura desenvolvida e povo educado, não é necessário roubar um ritmo estrangeiro para se fazer sucesso. Quem sabe cria, não copia! Não pega carona no sucesso de outros para fazer sucesso também. Não plagia! E nesse comércio, o balanço brasileiro é sempre negativo, pois foram raros os momentos da História em que exportamos nossa cultura e nossa criatividade, enquanto a importação da cultura estrangeira nunca cessou em nosso país. Quantas paupérrimas  versões de músicas estrangeiras a Jovem Guarda não fez? E o sertanejo romântico, o pop, ou mesmo o rock? Até a MPB tem canções importadas. E o que da nossa cultura é empurrado para o mundo? A Bossa Nova, que nem sequer existe mais? Não, exportamos o “ai, se eu te pego”.

Recentemente, Cristovam Buarque, o político que mais luta pela educação deste país, disse que “o Brasil vive um apagão intelectual”, referindo-se ao resultado do Ideb deste ano, que não chegou aos 4 pontos entre as escolas públicas e não passou dos 6 entre as particulares. Ainda nas palavras dele, nós “avançamos ficando para trás. Coreia do Sul, Índia, China e Irlanda, que há trinta anos atrás estavam em situação pior que o Brasil, hoje estão melhor, pois fizeram o dever de casa.”

Se nossos músicos precisam importar canções estrangeiras para fazer sucesso por aqui, isso nada mais é que um reflexo do restante do país, cuja economia é baseada na reprodução de produtos criados lá fora, desenvolvidos por marcas estrangeiras.

E o nosso dever de casa, quando é que será feito?

O Contexto Social de Gangnam Style

O contexto de Gangnam Style, a história por detrás do clipe e o que diz os versos originais vão muito além de um ritmo divertido e uma sequência de imagens aparentemente aleatórias e coloridas. Gangnam  é um dos bairros mais ricos de Seul, a capital da Coréia do Sul. Porém, para um país baseado em valores de trabalho duro e honra, o bairro, devido à sua história rápida de formação e desenvolvido (pouco mais de 20 anos), é marginalizado pelo restante da cidade. Ali seus moradores enriqueceram da noite para o dia, mas não por seguir os valores tradicionais sul-coreanos de trabalho e sacrifício, mas sim devido à especulação imobiliária, que tornou a região extremamente valorizada, cuja média de preço de um apartamento é de US$ 716 mil e com escolas cerca de quatro vezes mais caras que no restante do país. Parece estranho para nós brasileiros, mas sim, são ricos excluídos do restante da sociedade.

De uma maneira divertida, Psy trabalha com essas questões culturais em seu clipe, que para nós passam totalmente despercebidas e parece que tudo é uma sequência de imagens sem nexo. O rapper, que vem de uma família rica da região de Gangnam, foge do pré-conceito existente sobre os moradores deste distrito. O personagem do videoclipe não frequenta as caras boates locais, nem as academias abarrotas de coreanas esculturais. Tampouco tem o corpo modelado por cirurgiões plásticos. Pelo contrário, ele dança em um ônibus lotado, cheio de velhinhos aposentados; faz seu discurso sentado em um vaso sanitário; é gordinho e nada bonito; frequenta saunas com gangsteres e lugares cheios de lixo. É um riquinho hipócrita querendo parecer pobre? Talvez. Mas mais que isso, é uma paródia – extremamente divertida – de si mesmo. Talvez nada muito digno de admiração, no entanto há ainda a letra da música a ser considerada. Na canção, busca-se a mulher ideal, que queira viver ao lado de “um cara que tem mais ideias do que músculos”. E só por isso já merecia um bocado de respeito.

Atualização de Última Hora

Qual não foi minha surpresa, enquanto pesquisava para escrever este post, descobrir que a canção Despedida de Solteiro de Latino, está sendo boicotada pelo público!

Uma campanha pela internet convoca os internautas a dar o maior número de deslikes (negativações) na música postada no canal oficial do cantor no YouTube. Até o momento já foram mais de 120 mil deslikes. Estou dando risada! Hahaha

Quem quiser aderir à campanha, basta clicar aqui e dar um voto negativo ao vídeo.

Com informações do G1, Terra, O Globo e Wikipédia.

Atualização 2

Acho que isso encerra o assunto! hahaha

Anúncios

24 respostas em “Gangnam Style, Latino e a Educação Brasileira

  1. Eu conhecia o coreano e a musica dele pq ele ta um pouco famoso aqui nos EUA, mas nao conhecia a versao do Latino.. Mas cá entre nós, o fato dele pegar uma música estrangeira e deturpar a letra inteira não é mais novidade.. O Latino já vem fazendo isso há um bom tempo.. E a maioria das pessoas aceita e canta e dança.. Talvez essa aceitação possa ter base nos motivos que vc citou no post (falta de “boa” cultura, baixa intelectualidade..), mas o fato é que aceita.
    Não sei como está o sucesso dessa música aí no Brasil, mas aposto um Kinder Ovo que já está tocando em todas as festas!
    E como diria o Roger: “E esse é o país que quer sediar a Copa!” ;D
    Ps.: Gostei muito do post! Vc esreve mto bem (mas já sabe disso)! :)

    Curtir

    • Realmente é mais que comum o Latino se aproveitar dos sucessos lá de fora, mas não pude deixar de refletir sobre quando conheci a origem e a letra de Gangnam Style.

      Não faz mais que um mês que Gangnam Style começou a fazer sucesso pela net aqui no Brasil, mas em festas eu estou por fora. O Latino lançou a versão dele essa semana apenas, bem depois do vídeo original estourar por aqui.

      E muito obrigado por ter gostado e elogiado! xD

      Curtir

      • Pois é, quem não se lembra do hit Dragostea Din Tei, dos romenos do O-zone, que aqui virou Festa No Apê pelo Latino?
        Mas eu acho que o maior problema desta vez não foi nem a falta de criatividade dele (afinal, Festa No Apê é até divertida), mas sim o baixo nível da letra mesmo.
        De qualquer forma, bom post, Bisnaga. ^^

        Curtir

      • Obrigado, Celsão!
        Baixo nível da letra e o fato da original ter estourado aqui antes da divulgação da versão. Caso contrário, todo mundo teria engolido da versão de Latino, igual aconteceu com Dragostea Din Tei.

        Curtir

  2. O inédito é presenciar esse verdadeiro fenômeno promovido pelas mídias sociais. A juventude precisa apenas canalizar melhor todo esse poder de expressão, e principalmente, de ação. Se estamos tirando um ícone de lixo cultural de circulação devido ao demarketing, podemos derrubar governos, mudar códigos e reescrever a história. Mas isso nunca será possível diante da alienação crescente, da indiferença e da falta de alicerce educacional.

    Curtir

    • Ainda não acredito que nesse poder todo.
      O burburinho virtual em quase nada afeta o mundo real. Ainda uma barreira grande que separa os dois mundos. Um milhão de pessoas irão dar deslike na música de Latino e desse milhão, 80% vai ouvir a música na balada e dançar como se nada disso tivesse acontecido.

      Curtir

    • Izabela eu compartilho dessa mesma opnião, não conseguiria expressar-me tão bem assim, mais é exatamente assim que eu me sinto, obrigado por traduzir minha revolta e eu acho que não é só nossa…

      Curtir

  3. Muito boa postagem, a pesquisa está impecável e ótima orientação para o povão que canta a música (mesmo sem saber a pronuncia correta ou sobre o que aborda a letra) e, também, para evitar que essa onda de consumismo e auto promoção de artistas com intelecto limitado promovam essa imagem do nosso país e de nossa cultura.
    Estou “reblogando” tua postagem no meu blog.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s