Zé Batalha e a Bienal do Livro

Entre os dias 9 e 19 deste mês ocorreu a 22ª Bienal do Livro de São Paulo. E lá fui eu, no último dia, marcar minha presença na feira, mesmo que apenas a passeio – a experiência adquirida em 2010 já me dizia que eu não compraria nenhum livro, afinal os preços são salgados, mesmo nas promoções de encerramento. No entanto, após horas caminhando em círculos pelo labirinto de estandes, acabei adentrando um cantinho escuro do pavilhão e, escondido lá no fundo, no último corredor, descobri algo que não esperava: o selo Vermelho Marinho, da editora Usina das Letras, e fiquei maravilhado.

Para quem não conhece (como eu não conhecia), este selo é dedicado à literatura brasileira popular contemporânea e vem lançando vários novos escritores – autores de fantasia, terror e ficção científica – tudo com a cara do Brasil. E para minha surpresa, além dos livros, ali também estavam vários escritores interagindo com os visitantes, vendendo o peixe para quem se interessava por suas obras.

Acabei conversando com um deles, que me apresentou seu livro de fantasia (uma aventura infanto-juvenil pelas ruas de São Paulo) e também de outros que estavam expostos por perto. Li algumas sinopses e achei muita coisa interessante. Mas ali os preços também eram altos e, por mais que seja eu apaixonado por fantasia, não estava disposto a ler histórias de adolescentes com superpoderes.

Saltei, portanto, para os estandes seguintes. Estes não eram de editoras, mas particulares: pequenas cabines individuais, onde autores independentes expunham suas desconhecidas obras. Passei por dois e, no terceiro, fui fisgado pelo carisma do professor Alberico Rodrigues, um senhor baiano, já com seus 60 anos. Não resisti e comprei dois de seus livros: “Zé Batalha – O Herói da Minha Infância” e “A Saga de um Baiano na Cidade de São Paulo”.  Este segundo ainda não li, porém o primeiro devorei em apenas algumas horas.

Zé Batalha não chega a ser um romance, mas um conto envolvente, quase uma fábula. Narrado em primeira pessoa pela voz do próprio autor, o livro é um misto de realidade e fantasia, tão bem misturadas que é impossível dizer onde uma termina, onde outra começa.

Alberico retorna à sua infância e se apresenta como protagonista da aventura, contando sobre a vida no sítio da Zona da Mata Baiana e sobre personagens que por ali passavam. A estrada diante de sua casa era seu circo, seu carrossel. Por ali os espetáculos da vida aconteciam, pessoas diferentes passavam e o mundo trazia notícias.

Dentre tantos, o que mais chamava atenção era o ex-escravo Zé Batalha, negro morador do mato, que vivia da natureza, amigo de todos os bichos e sempre acompanhado de seu cão Alegria. O personagem clássico de todas as cidades, todos os lugarejos destas terras tupiniquins. Afinal, qual cidade não tem sua figura folclórico, o velho mendigo bonachão cuja história poucos conhecem, mas que a muitos agrada com seu bom coração e inocência desmedida?

Zé Batalha é o mito vivo, cuja lenda diz que pode se transformar em vários animais. Tudo isso, porém, é ligeira introdução. A história em si se ocupa apenas de um único dia, iniciando-se na boca da noite para terminar no fim da manhã seguinte. Nada de grandioso, nada de complexo. Apenas uma história simples do interior brasileiro, mas para o jovem Albe, uma lembrança marcante de sua infância saudosa. E no fim, o negro é tornado herói.

A rápida leitura trouxe à memória os bons livros da Série Vagalume, que lia quando era criança. E Zé Batalha tem todos os elementos que colocariam Alberico Rodrigues lado a lado com Marcos Rey, Aristides Fraga Lima e Lúcia Machado de Almeida que tanto marcaram minha própria infância. Que venha agora a Saga de um Baiano na Cidade de São Paulo!

Alberico e o Orc – 22ª Bienal do Livro de São Paulo

Anúncios

Uma resposta em “Zé Batalha e a Bienal do Livro

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s