O testamento literário de Herman Hesse

Um romance utópico, de idéias grandiosas, que reúne em um único homem uma das principais motivações da humanidade: a busca pela compreensão do mundo. Se for possível resumir O Jogo das Contas de Vidro em uma única frase, essa deveria ser sua definição. Mas este livro de Herman Hesse vai muito além e se envereda por vieses e escopos de uma sociedade erudita que, ao mesmo tempo em que deveria ser o ideal da evolução social humana, também se mostra um caminho conturbado.

Toda a história se passa na província fictícia de Castália, em um país não identificado, num futuro distante – um lugar onde todos os habitantes são intelectuais e se dedicam ao estudo profundo de variadas disciplinas, principalmente a matemática e a música. O jogo citado no título do livro é o ápice da criação intelectual da raça humana e o único passatempo dos habitantes de Castália. Também chamado de Jogo de Avelórios, o entretenimento é um reflexo do meio em que foi criado, envolvendo em suas regras o uso de física, astrônoma, linguística, filosofia, matemática e música, as quais são manipuladas pelos jogadores em uma linguagem capaz de unificar a todas em um único e primordial conhecimento, através de divagações lógicas e racionais que conseguem misturar todos os tipos de conhecimento puro.

Mas essa atividade lúdica é apenas uma das partes do livro – o pano de fundo para a biografia de seu protagonista – Joseph Knecht (traduzido no Brasil como José Servo, já que a simplicidade de seu nome é primordial para interpretação da história) – e para sua busca pela compreensão e elevação espiritual.

A obra se divide em três partes distintas, mas que se complementam. A primeira delas trata do jogo, através de um curto histórico da atividade; a segunda e mais extensa se dedica à biografia do protagonista, como um livro dentro do livro; e, por fim, algumas obras póstumas atribuídas ao José Servo – poemas e contos – que enlaçam, de forma metafórica, todas as idéias trabalhadas ao longo do romance, abordando um contorno bem mais sucinto e objetivo dos temas explorados por ele.

O texto, ao longo da segunda parte, se envereda pela vida de Servo, desde sua infância. Sempre com o tom intimista de uma biografia, Hesse descreve a entrada do personagem no mundo acadêmico e seu envolvimento com o jogo. Seu deslumbramento com aquela que seria a obra máxima da intelectualidade intensifica seus estudos e – por mérito e reconhecimento – alcança o cargo de Magister Ludi (o Mestre do Jogo de Avelórios), a mais respeitável e admirável colocação dentro de Castália. O relato sobre a vida de Servo o acompanha em sua escalada espiritual, voltando-se para a descoberta e para o conhecimento, voltando sempre para o pensamento racional.

Apesar da linguagem carregada, o enredo é simples e deveras comum nas demais obras de Hesse: a rixa entre o erudito e a vulgaridade, entre a evolução do espírito através do conhecimento e a vida cotidiana. A província de Castália se dedica ao pensamento lógico sobre as disciplinas que compõem o jogo, mas desprezam a História por ser, talvez, uma ciência humana que foge ao adágio racional.

Em certo momento de sua vida, no entanto, José Servo, durante uma apresentação feita em um mosteiro, conhece um monge da Ordem Beneditina. As longas conversas com o monge giram em torno de uma disciplina que até então lhe era pouco quista e Servo começa a perceber que a História tinha-lhe muito a ensinar.

Contrariando todas as expectativas de seus concidadãos, Servo abandona a província e vai viver no mundo exterior, em meio à vida prática das pessoas comuns: abdica, portanto, do espírito e volta-se para o vulgar. Percebe, pois, através da História, que existem falhas nas atitudes de sua província e, sentindo-se responsável por ela, busca ele próprio algum tipo de solução. Num momento inesperado, no entanto, em um acidente repentino em um lago congelado, José Servo morre e sua biografia é encerrada abruptamente.

Daí em diante, as poucas páginas que sobram ao final do romance se dedicam à publicação da obra póstuma do protagonista.

O final, aparentemente desmotivador, coroa com mestria o romance de fortes tendências existencialistas: uma sociedade utópica fechada em si mesma, que possui como instituição máxima a mais avançada criação humana e que, no entanto, benefício algum traz à humanidade; um protagonista que se dedica toda a vida à evolução e, em determinado momento, percebe que esta pouco tinha de evoluída; uma morte abrupta que faz questionar a própria existência e a dedicação individual ao espírito e ao erudito; e, por fim, um legado póstumos deveras enfadonho, como último suspiro de uma vida perdida ao acaso.

Não apenas no enredo, mas também nos detalhes linguísticos, Hesse laureou os significados do que pretendia. Os nomes usados na obra não foram de graça. O título de sua terra utópica, Castália, é também o nome de uma ninfa da mitologia grega. A Castália grega foi transformada em nascente de água pelo deus Apolo e alocada próxima ao famoso oráculo de Delfos. As águas desta fonte inspiravam aqueles que dela bebiam e exaltavam seu espírito poético. Não muito diferente das intenções de Hesse com sua comunidade utópica e inspiradora: um lugar que acirrava o conhecimento e despertava o pensamento.

Em contrapartida, o ápice da criação dessa sociedade inspiradora, o Jogo das Contas de Vidro, ou Jogo de Avelórios, traz em seu nome um significado que se opõe àquilo que ali era pregado. Vidros não são jóias e possuem pouco ou nenhum valor. A própria palavra “avelório” – na versão portuguesa do livro – traz em si um significado dúbio: “conta de vidro” ou “algo de valor escasso”.

Não obstante, o Magister Ludi da atividade, protagonista da obra, carrega em seu nome não uma pomposa distinção, mas a alcunha de um simples servo. Não trazia, portanto, a soberba dos castálicos. Ao contrário, buscaria a evolução do espírito através do vulgar, do humilde, da servidão. E assim, como uma alusão ao sobrenome de José Servo, o protagonista termina seus dias nas últimas páginas de sua biografia: como o tutor do filho de um amigo, que ele conhece fora da província em que vivia.

Não à toa, as questões levantadas por Hesse ao longo d’O Jogo das Contas de Vidro renderam-lhe o Nobel de Literatura de 1946. O livro é considerado sua magnum opus, seu testamento literário, um legado para o pensamento sobre os reais valores da cultura humana.

Devido à grandeza e perfeição do Jogo de Avelórios, nada criado pelo homem poderia ocupar o lugar dessa atividade lúdica que é, ao mesmo tempo, a mais nobre e a mais inútil das criações humanas. E tal inutilidade talvez reflita a gratuita e efêmera existência, tão pomposa em sua erudição, mas ao mesmo tempo passageira, como bem atestado pela morte abnega de José Servo.

O autor parece ter guardado, para este romance, toda a influência que acumulou ao longo da vida – suas origens em uma família cristã, sua aproximação com a espiritualidade hindu, suas fortes ligações com a psicologia analítica de Carl Jung e sua vivência através de duas Guerras Mundiais. Tudo parece se unir para compor um pensamento complexo, não de uma sociedade futurista, mas atemporal – e que talvez fosse um reflexo existencialista da primeira metade do Século XX.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s