O Templo dos Ventos: estréia com pé direito

Um mistério envolve O Templo dos Ventos, o romance de estréia de Marcelo F. Zaniolo, e o primeiro da Trilogia dos Pássaros: porque o mundo encontra-se submerso? O que exatamente aconteceu no planeta e há quanto tempo isso ocorreu? Uma grande inundação, aparentemente de proporções globais, apagou toda a História da humanidade e deixou poucos sobreviventes, cujas tradições orais, com o tempo, deixaram esquecer todo conhecimento adquirido pela sociedade ao longo de tantos séculos. A modernidade há muito está perdida metros abaixo do oceano.

Mas este é apenas o pano de fundo do romance, a paisagem geral criada por Zaniolo, em um misto de fantasia e enredo pós-apocalíptico.

Com uma narrativa ágil e descrições marcantes, o autor inicia sua história com a descoberta de um garoto encontrado morto, supostamente assassinado. O fato desperta a atenção dos moradores da Aldeia – um pequeno assentamento de sobreviventes, no alto da última montanha do mundo. Gavin, irmão da vítima, deixa o local em busca de vingança e desaparece na mata.

O possível homicídio, no entanto, não é o único motivador da história. Enquanto os demais moradores do lugar se organizam para enviar um grupo de busca, uma grande águia branca surge nos céus e, de maneira inexplicável, consegue se comunicar com Átila, o mais forte dentre os guerreiros locais. O pássaro viera para cobrar uma dívida, não com ele, mas com todos os poucos remanescentes da Grande Inundação. A humanidade não sabia (ou não lembrava), mas devia sua sobrevivência às aves.

É a partir desse enredo e com um misterioso e catastrófico pano de fundo, que se inicia a jornada de Noah, Átila, Deni, Gavin e a misteriosa Zoe. Os cinco protagonistas, entre encontros e desencontros, percorrem as terras inabitadas da montanha, não apenas em busca de vingança, mas também à procura de algo que explique como alguns deles, de repente, passaram a se comunicar com os pássaros.

Envolvendo mistério e aventura muito bem equilibrados ao longo do texto, O Templo dos Ventos é um romance infanto-juvenil empolgante, capaz de despertar a curiosidade e envolver os leitores com um enredo original e um mundo de fantasia que, apesar de beber em muitas fontes, não copia ou arremeda nenhuma delas. Zaniolo traz um cenário verossímil, crível, de uma montanha solitária em meio ao oceano sem fim. O panorama de um mundo limitado, que vai sendo descoberto aos poucos pelos aventureiros de sua história. Mas que, diferente do que se possa imaginar, passa cada vez mais a sensação de encarceramento a medida que os personagens descobrem novas terras da grande ilha – mesmo sendo um espaço gigantesco e inexplorado, há sempre a presença do mar como um limite intransponível.

Se há um ponto realmente forte no romance, ele está nos personagens e seus arcos evolutivos – principalmente em Noah, o jovem narrador da história.

“Um guerreiro, um sonhador e o filho de um contador de histórias. Nossa aventura parecia promissora.” Some ainda os outros dois que entrarão posteriormente na história e se terá a trupe completa, cada qual com sua respectiva ave. Os cinco protagonistas não são apresentados individualmente ao leitor, nem mesmo são definidos em descrições. Suas personalidades vão sendo desvendadas ao longo da trama, em conjunto, através de ações e diálogos. Como a história é narrada por um deles, os dramas e pensamentos dos demais personagens se tornam um mistério para o leitor, mas suas atitudes e falas, registradas por Noah ao longo da aventura, aos poucos vão expondo a real personalidade de cada um.

Mas não se pode ignorar o narrador, de maneira alguma. O arco evolutivo de Noah é o maior trunfo de O Templo dos Ventos: inicialmente vendo-se apenas como uma sombra do irmão mais novo, um peso a ser carregado pela comitiva, com o passar do tempo Noah torna-se mais auto-confiante e seus dramas pessoais envolvem com facilidade o leitor. Seu despreparo para a aventura o coloca em pé de igualdade com o leitor juvenil e é impossível não se identificar com sua trajetória. Sua responsabilidade e suas prudência e sensatez o tornam um exemplar e carismático herói – tornando-se  por fim um total contraponto ao inimigo a ser enfrentado.

Este, talvez, seja um dos poucos defeitos da história: um mundo deveras maniqueísta e sem surpresas com relação ao caráter de cada um dos personagens. A trama que envolve as aves e acaba por se mostrar a principal motivação da história também se mostra vaga a maior parte do tempo, deixando sem explicações muitos dos fatos que ocorrem ao longo do romance. Algo perdoável, já que o livro termina em aberto, deixando mistérios a serem resolvidos nos próximos dois volumes que ainda virão.

Ao ler O Templo dos Ventos, não espere uma história grandiosa, cheia de diálogos marcantes, mas uma aventura leve e divertida, que irã despertar a curiosidade para um novo e original mundo de fantasia, além de ensinar que, as vezes, os que parecem ser seus piores defeitos, na verdade podem ser suas melhores qualidades.

Pruuu.

Anúncios