Documentário – “História do Hip Hop” (Assista)

O ano era 2007. Eu acabara de entrar para a faculdade, acabara de deixar minhas Minas e me mudar para São Paulo. Ainda não conhecia ninguém, estava começando a descobrir o mundo novo da universidade, da comunicação, da TV, do rádio e do cinema. Enfim, estava completamente perdido!

Já no primeiro período do curso, o professor de Antropologia nos pediu um trabalho de pesquisa que teria por tema “A História do Hip Hop”. Um trabalho que poderia ser apresentado como quiséssemos, desde que atendesse aos pedidos feitos pelo professor. Todos os outros grupos (que tiveram por tema o break, o rap, a moda hip hop e a linguagem e suas gírias) aprensetaram de maneira tradicional, usando slides, discursos e levando convidados para debater o tema em sala de aula.

Meu grupo, no entanto, se amalucou e um colega disse: “se nosso curso é de rádio e TV, porque não fazer um vídeo então?” Pronto, estava feito o desafio. Mas como, se a faculdade não liberava equipamentos para alunos recém chegados? Como, se não tínhamos experiência alguma com vídeo, roteiro, câmeras e tudo o mais? E a resposta foi: “vamos fazendo. Se não der, passamos para o papel tudo o que conseguirmos e apresentamos da maneira tradicional.” Afinal já teríamos a pesquisa feita.

Pois bem, foi o que fizemos! Conseguimos uma câmera Hi8 emprestada com uma colega, um microfone bem tosquinho com outro colega e fomos à luta! Foi, portanto, a minha primeira produção audiovisual.

Ao fim pensamos que o resultado do vídeo era suficiente para ser apresentado, mesmo o áudio estando baixo e a imagem com uma baixissíma qualidade. Chegamos na sala com um DVD e colocamos para rodar, sem dizer mais nada, deixando que o vídeo falasse por si. Houve silêncio durante toda a apresentação e logo após, salvo as crítias têcnicas que já citei, recebemos o seguinte elogio do professor, o então Mestre Alfredo d’Almeida: “Há quatro anos ministrando esse mesmo trabalho, esse foi o melhor que já vi!”

Hoje eu assisto ao documentário e não acho nada de mais, e ainda encontro vários defeitos. Mesmo assim, é um doc do qual tenho orgulho em dizer que fiz. E agora, 4 anos depois de ser feito e apresentado, divulgo ele na internet, com exclusividade no Covil (e no meu canal do YouTube):

 

Como nos créditos têm apenas o nome dos integrantes do meu grupo, deixo abaixo algumas especificações sobre o o curta.

Produção:
LETÍCIA CAVALCANTE
J. V. V. B. MILITANI (Eu)
MARIANA VELOSO

Câmeras:
DANIEL ELEUTÉRIO
J. V. V. B. MILITANI (Eu)

Edição:
DANIEL ELEUTÉRIO

dentre outros…

Agradecimentos Especiais:
CASA DO HIP HOP DE DIADEMA
KING NINO BROWN
NELSON TRIUNFO
LEVI

Agradecimentos:
CASPER
MC VELOKO
E todo o pessoal da ZULU NATION e da CASA DO HIP HOP!

UNIVERSIDADE METODISTA DE SÃO PAULO – 2007

Anúncios

Remake “Clube da Luta”

No quarto perído da faculdae, ainda em 2008, tivemos nossa primeira experiência com dramaturgia audiovisual. O exercício era simples, porém deu trabalho – e muito.

Era necessário escolher uma cena de, no máximo, um minuto de duração, seja de um filme, uma novela, um comercial de TV ou um clip musical. E depois reproduzí-la da maneira mais fiel possível, tanto nas falas e nos movimentos dos atores, como também na iluminação, enquadramento e cenários. O sucesso da realização do exercício dependia da exatidão do conjunto.

Nossa equipe escolheu um trecho de 37 segundos do filme Clube da Luta (Fight Club, EUA, 1999), com a participação de Edward Norton e Brad Pitt e, a partir daí, começamos a pesquisar todo o material e equipamento que seria necessário para a reprodução da arte e da fotografia. Além claro, de ensaiar os atores.

Claro que muito do sucesso devemos ao talento dos atores Victor Cassoni e Wagner Galvão, que se dedicaram com afinco ao trabalho e fizeram uma imitação impecável dos personagens originais. E, puxando a sardinha para mim, devo dizer que fui eu quem os ensaiou, contando tempo, indicando marcações e repassando movimentos. Foram dias muito divertidos!

O vídeo que é apresentado abaixo foi editado para ser exposto de maneira contínua e seus créditos foram suprimidos. No DVD entregue aos professores, cada trecho foi apresentado em uma faixa diferente: Vídeo, Imagem Comparada e Making-of.

CRÉDITOS:

Elenco:
VICTOR CASSONI – Norton
WAGNER GALVÃO – Pitt

Direção:
ANDREWS NASCIMENTO

Assistente de Dir.:
LUIZ BRAS

Produção:
CRISTIANO SILES

Direção de Atores:
J. V. V. B. MILITANI (EU)

Direção de Fotografia:
WILLIAN MELO

Direção de Arte:
BÁRBARA NEVES

Câmera:
MARCELO SOUZA

Dentre outros…

Que Feira é Essa?

Sei que o Covil anda meio abandonado às moscas, mas tenho motivos para sumir: estou em período de TCC na faculdade, há poucos meses de me formar.

Mas volto agora, mesmo que num post rápido, por um bom motivo: divulgar o trabalho de um amigo da faculdade, William Melo, realizado em uma das Oficinas Intinerantes Tela Brasil. O documentário, chamado “Que Feira é Essa?”, feito no início do ano passado, se passa em Sapobemba, um bairro pobre de São Paulo, mas que é considerado de classe média pela prefeitura. E, mais especificamente, o dia-a-dia de uma feira de rua, onde as diferenças sociais se contrastam de maneira mais forte.

O filme será exibido amanhã, 22 de agosto, às 19h, no Cine Olido, próximo ao Metrô São Bento. Quem puder, não deixe de conferir. Além deste, vários outros curtas serão apresentados.  A entrada é franca.

Lembrando ainda que uma entrevista com o William será publicada ainda essa semana no Diário de São Paulo.

Mas se não puder ir, o curta pode ser conferido aqui mesmo no Covil, logo abaixo.

O Barril de Amontillado (Brasil, 2009)

Banner BarrilBaseado na obra homônima de Edgar Allan Poe, apresento abaixo “O Barril de Amontillado”, curta-metragem de 3 minutos produzido pela minha equipe da faculdade.

Para assistir em “tela cheia/inteira” clique no penúltibo botão da janela do vídeo.

Detalhes técnicos:

Foram cerca de duas semanas de pré produção.
Mais de dois meses de produção.
Porta volta de 16 horas de gravações (em um único dia).
E outras duas semanas de pós produção.
Gravado em half HD (aqui no Covil tem apenas metade da qualidade do DVD).
Formato 16:9 (widescreen).
A catacumba foi construída no estúdio da faculdade.
Para o salão de festa foi usado como locação o hall do Salão Nobre da UMESP.

Ficha técnica: Se encontra nos créditos finais do filme. Portanto assiste e leia!

 

Links relacionados:

Pasta de Direção de Arte
Meu Primeiro Filme! Não Percam!!!