A Segunda Renascença

 

TiposQuando Gutenberg criou a prensa de tipos móveis, em meados do século XV, o domínio da informação e do conhecimento era restrito à Igreja e à nobreza. Sua invenção, no entanto, facilitou a reprodução de textos e a publicação em massa de livros. Naquela época, ao “piratear” o conteúdo privado dos poderosos, esta simples máquina de madeira contribuiu não apenas para o fim da Idade Média e início do Renascimento da ciência, como também acabou com o monopólio católico ao abrir espaço para novas idéias Protestantes.

Aquela situação, distante mais de 550 anos no tempo, não é muito diferente da que vivemos hoje. A informação, que no século passado se industrializou, tornou-se, talvez, a mais poderosa das moedas e hoje é concentrada nas mãos de poucos poderosos ao redor do mundo. A mídia do século XX foi chamada de “Quarto Poder” e ganhou status suficiente para eleger ou derrubar líderes políticos e religiosos – ou mesmo se misturar a eles. Porém o crepúsculo do último milênio deixaria um legado para uma nova revolução, uma segunda prensa de Gutemberg: a internet

Foi na década de 1990 que a rede mundial de computadores começou a engatinhar com agilidade em direção às massas. Primeiro como suporte acadêmico, mas logo ganhando novas funcionalidades, até ser capaz de abalar as estruturas dos impérios midiáticos.

Online-x-offline-550x286Mesmo que tais impérios também tenham agregado territórios deste novo continente virtual, logo os fóruns de discussões, os blogs e, mais tarde, as redes sociais, iriam se tornar as mais democráticas nações de informação e disseminação de cultura, questionadores do conteúdo da mídia tradicional – ou mesmo suas fontes.

O blog foi, talvez, o mais popular destes meios. Criado por volta de 1997, a ferramenta facilitou o uso da internet de tal maneira, que, a partir dela, ficou muito mais simples publicar conteúdo na rede. Usado a princípio como simples diários, versões online dos cadernos adolescentes, logo o sistema ganhou ares jornalísticos e formato corporativo. Blogs noticiosos, opinativos e culturais se disseminaram pela internet e foram o embrião de diversos portais independentes, muitas vezes com mais credibilidade que a mídia tradicional.

Não apenas questionadores, os blogs também se mostraram uma alternativa que fugia à regra sensata dos conglomerados informativos. Na “blogosfera” havia espaço para assuntos que fugiam da agenda da imprensa: religiões diferentes, teorias conspiratórias, arte alternativa, aparições alienígenas etc.

/TARIFAS/PROTESTO/RJOs grandes veículos de imprensa viram nos blogs um forte concorrente e, a princípio, se afastaram deles, proibindo seus profissionais de manterem páginas pessoais, paralelas ao trabalho corporativo. Mas como no dito popular: se não pode com eles, junte-se a eles. Não foi preciso sequer uma década para que os grandes portais de notícia abrissem espaço e contratassem seus próprios “blogueiros”. Estadão, Veja, Cartal Capital, New York Times… esses e muitos outros veículos mantém um grande número de blogs em seus portais, fazendo as vezes das colunas opinativas dos jornais impressos.

Logo as redes sociais ganharam força e o disseminar de informações ficou ainda mais rápido e fácil. Os blogs foram incorporados por elas. Hoje, o Facebook nada mais é que um gigantesco mural com milhões de blogs interligados, bombardeando postagens infinitas diante dos olhos do usuário.

gutenberg50A deep web acobertou a Primavera Árabe; as redes sociais impulsionaram as manifestações brasileiras em 2013; blogueiros cubanos, chineses e norte-coreanos são caçados por seus respectivos governos e tratados como inimigos, apenas por emitirem suas opiniões. Espiões das grandes potências disseminam segredos de Estado para o público geral.

Isentos ou não, sensatos ou não, os blogs e as postagens nas redes sociais – a internet como um todo – estão levando o mundo a um novo período renascentista, abrindo as portas para um novo iluminismo, tirando o poder das mãos dos grandes impérios e distribuindo-o ao povo, tal qual o fez a prensa em sua época. Quando cairá a próxima Bastilha?

Anúncios

Este Texto não é Livre – Como o Pensamento de Foucault Pode Explicar as Limitações do Jornalismo

O texto a seguir foi composto
para a avaliação da disciplina
Análise do Discurso e é postado aqui
apenas para registro e curiosidade dos leitores.

FoucaultA partir  do momento em que o jornalista detém para si  a fala do entrevistado, ele detém também o poder do discurso, a capacidade de moldar o discurso alheio de modo a se beneficiar dele em seu próprio discurso. Essa mesma relação de poder, porém, também se dá entre o jornalista e fatores que o impedem de enunciar os acontecimentos com total liberdade e originalidade.

Segundo Foucault, existem fatores Internos e Externos que limitam e conduzem o discurso. A relação de poder, partindo desta análise, foca-se nos sistemas Externos, ou seja, na relação do enunciador com a instituição na qual ele está inserido. Foucault enumera três fatores externos: a “Interdição”, a “Separação” e a “Vontade Verdade; cada qual uma formação complementar de relação do enunciador com o ambiente que o cerca.

A Interdição é o impedimento de se dizer o que quer à quem e/ou onde quiser. A Separação é a necessidade de aprovação do discurso por outrem. Enquanto a Vontade de Verdade diz respeito à relatividade dos valores, que poder ser verdadeiros ou falsos, dependendo do âmbito no qual estão inseridos.

Tendo por base o pensamento de Foucault, é fácil entender as relações de poder que limitam o discurso do jornalista, sendo que este encontra-se naturalmente inserido em instituições que conduzem e moldam seu texto. É fácil citar exemplos que cerceiam o discurso jornalístico, como a linha editorial do veículo, influências econômicas dos anunciantes, empecilhos políticos ou mesmo determinações legais.

Em um exemplo extremo, o jornalista jamais poderia publicar acusações ao veículo do qual faz parte ou aos funcionários que ali trabalham. Nem mesmo se voltar contra empresas que o patrocinam ou ir contra a legislação local.

É, portanto, compreensível que todo e qualquer discurso jornalístico seja limitado a regras implícitas – jogos de poder – que conduzem o jornalista na construção do seu texto e o impedem de expor livremente seu enunciado.

Remake “Clube da Luta”

No quarto perído da faculdae, ainda em 2008, tivemos nossa primeira experiência com dramaturgia audiovisual. O exercício era simples, porém deu trabalho – e muito.

Era necessário escolher uma cena de, no máximo, um minuto de duração, seja de um filme, uma novela, um comercial de TV ou um clip musical. E depois reproduzí-la da maneira mais fiel possível, tanto nas falas e nos movimentos dos atores, como também na iluminação, enquadramento e cenários. O sucesso da realização do exercício dependia da exatidão do conjunto.

Nossa equipe escolheu um trecho de 37 segundos do filme Clube da Luta (Fight Club, EUA, 1999), com a participação de Edward Norton e Brad Pitt e, a partir daí, começamos a pesquisar todo o material e equipamento que seria necessário para a reprodução da arte e da fotografia. Além claro, de ensaiar os atores.

Claro que muito do sucesso devemos ao talento dos atores Victor Cassoni e Wagner Galvão, que se dedicaram com afinco ao trabalho e fizeram uma imitação impecável dos personagens originais. E, puxando a sardinha para mim, devo dizer que fui eu quem os ensaiou, contando tempo, indicando marcações e repassando movimentos. Foram dias muito divertidos!

O vídeo que é apresentado abaixo foi editado para ser exposto de maneira contínua e seus créditos foram suprimidos. No DVD entregue aos professores, cada trecho foi apresentado em uma faixa diferente: Vídeo, Imagem Comparada e Making-of.

CRÉDITOS:

Elenco:
VICTOR CASSONI – Norton
WAGNER GALVÃO – Pitt

Direção:
ANDREWS NASCIMENTO

Assistente de Dir.:
LUIZ BRAS

Produção:
CRISTIANO SILES

Direção de Atores:
J. V. V. B. MILITANI (EU)

Direção de Fotografia:
WILLIAN MELO

Direção de Arte:
BÁRBARA NEVES

Câmera:
MARCELO SOUZA

Dentre outros…

Post Scriptum – Do Projeto à Conclusão (e mais o Trailer)

Só quem já escalou uma montanha sabe como é grandiosa a sensação de se chegar ao cume, mesmo que lá em cima não tenha nada. Após quatro anos de faculdade, eis que também chego ao cume, no ápice do curso, o momento final que separa o estudante do profissional! E para a conclusão desses quatro anos, apresentei na última quinta-feira, dia 25, o nosso trabalho derradeiro, o último, que vem sendo desenvolvido desde agosto do ano passado: Post Scriptum, a série!

Há um ano e meio minha equipe e eu estamos trabalhando duro, em diversas áreas, para realizar um trabalho desafiador e que, por muitas vezes, parecia estar além das nossas capacidades. No início foram apenas pesquisas – passeios históricos pela Literatura, o Cinema, o Teatro, as Histórias em Quadrinhos, a TV e por diversos jornais e revistas, acumulando todo o conhecimento possível sobre uma peculiar e consagrada criatura mística que a todos seduz com grande facilidade: o Vampiro! Da Grécia Antiga ao Brasil Moderno, passando pela China e pelos vampiros Andinos; de Polidori a Stephani Meyer, passando por Stoker e Rice; do expressionismo alemão, passando pelo terror adolescente dos anos 1980, até chegar ao terror romântico das atuais produções vampirescas… Todo o caminho foi percorrido para que a pré-banca, em novembro de 2009, aprovasse com louvores o nosso projeto! E só então passamos à parte prática.

Paralelamente aos demais trabalhos da faculdade, começamos, ainda em janeiro, a desenvolver o roteiro da série e a criar os personagens. E assim Post Scriptum começou a tomar forma: uma micro-série de seis episódios por temporada, com 40 minutos de duração cada, projetada para um canal a cabo. Claro que não gravamos todos. A exigência da faculdade é que se faça apenas o programa piloto, ou seja, apenas o primeiro episódio. Os demais foram entregues no papel mesmo.

Após um debate sobre a Copa do Mundo (outro trabalho da faculdade, que, infelizmente, ainda não apresentei aqui no Covil) estávamos finalmente com o roteiro pronto, em junho deste ano. Daí partimos para a fase de produção. Entre julho e agosto aconteceram muitas coisas, as quais não vou entrar em detalhes, mas que resultaram em desistências, brigas, 3500 reais jogados no lixo e um recomeçar do zero. Não foi exagero quando nosso colega Will nos comparou a Fenix, pois realmente renascemos das cinzas e superamos as expectativas de todos que apostavam no fim do projeto. Voltando à idéia da montanha, caímos de um abismo e tivemos que reescalar todo um contraforte. Mesmo com a frustração, nós continuamos.

Agosto, setembro, outubro e agora novembro, sempre produzindo e gravando, nos divertindo e nos matando, elogiando e, algumas vezes, esgoelando alguns atores. Mas tudo deu certo e a edição feita pelo Kikito fechou o trabalho com chave de ouro! E ao fim, a apresentação final, o desafio da Banca, o recebimento da nota e, com honras, o fim da faculdade!!! A chegada ao cume.

Ao fim de tudo, eu mesmo me achei um chato. Antes da entrega aos professores, quando finalmente assisti ao piloto pronto, fiz diversas críticas e não gostei de muitas coisas. Porém, para minha surpresa, tudo o que eu apontei como defeito, durante a banca foi apontado como qualidade pelos professores. Desde o Barril, nunca vi um trabalho ser tão elogiado. Eu realmente não esperava tantos comentários positivos da banca e ainda aqui reforço meu desgosto por alguns trechos. Mesmo assim, se a banca disse, então tá dito!

Em resumo, nós fomos aprovados com grande glória, sob aplausos, abraços, lágrimas e elogios!

Mas o que é Post Scriptum?

A série nos conta a história de duas vampiras paulistanas, as irmãs Júlia e Sofia, que há 15 anos foram mordidas e transformadas pelo cínico e secular vampiro Felipe. Porém a personalidade forte de Sofia e a morte súbita de Felipe, fazem com que as irmãs, mesmo com a nova dieta, continuem a levar uma vida relativamente normal, alheias ao sub-mundo dos demais vampiros. Mas a vida tranqüila das irmãs começa a virar de ponta-cabeça quando elas descobrem que alguém mais sabe sobre seus segredos. Será que Felipe está de volta? Ou algo ainda pior está caçando Sofia e sua irmã?

E o cenário dessa aventura de suspense e terror é a imensa cidade de São Paulo, com suas típica paisagens cinzentas, tempo chuvoso, trânsito fechado, drogas e violência.

Em breve, não percam a estréia do episódio piloto, aqui mesmo no Covil! Por enquanto, deixo apenas o trailer para vocês terem um gostinho do é todo o episódio.

“A Afinação do Mundo” – A Paisagem Sonora Pós-industrial

A resenha a seguir foi feita às pressas
para cumprimento de uma das matérias da faculdade.
Trate-se de apenas 1/4 do livro
de Schafer e a publico aqui apenas a título de curiosidade.

Resultado dos estudos do pedagogo e compositor canadense R. Murray Schafer, A Afinação do Mundo é um livro que trata da relação entre o homem e o ambiente sonoro que o envolve, cujo o próprio autor denominou “Paisagem Sonora”. A resenha que é aqui apresentada refere-se à segunda parte do livro, a qual contém um exame detalhado da paisagem sonora pós-industrial, a revolução elétrica e um ensaio sobre a relação da música com o ambiente sonoro do compositor.

No primeiro capítulo desta parte, o destaque vai para a Revolução Industrial e todo o montante de novos sons que se originaram dela, inundando os grandes centros urbanos com o que, mais tarde, foi chamado de poluição sonora. Schafer nos mostra como a nova gama de materiais (como o ferro fundido) e de fontes de energia (como o carvão e o vapor) mudaram amplamente a paisagem sonora das cidades, substituindo os sons das ferramentas manuais e veículos de madeira, da música operária e do canto dos pássaros pelos sons pesados do martelar contínuo das indústrias, pelo resfolegar e o silvo agudo das locomotivas, ou, mais tarde, pelo ronco forte dos motores a combustão e as buzinas dos trânsitos das grandes cidades. Começa-se aqui uma das críticas mais relevantes de Schafer: a relação do som com a qualidade de vida, pois, é dito no livro, que ainda na primeira fase da Revolução Industrial, muitos dos operários fabris passaram a sofrer de surdez.

Já no capítulo seguinte, referente à Revolução Elétrica, a crítica do autor se torna mais subjetiva, relacionando as capacidades tecnológicas de gravação e transmissão de sons a longas distâncias como algo depredatório. Dá-se a entender (pois nos são apresentados apenas esses tipos de exemplos) que o rádio, invadindo sem permissão nossa privacidade doméstica, com sua programação contínua, desprovida de silêncio, se tornou um vilão para os apreciadores dos sons e ruídos, naturais ou artificiais do ambiente. Ou mesmo um vilão para a própria música. Seria essa a esquizofonia cunhada pelo autor: o “empacotamento e estocagem do som e o afastamento dos sons de seus contextos originais.” Algo difícil de ser concebido hoje, 40 anos após a publicação do estudo, numa sociedade cada vez mais dependente e vivente dessas tecnologias.

R. Murray Schafer

R. Murray Schafer

Há ainda neste capítulo, uma seção inteiramente dedicada à Moozak, com citação, até mesmo, a um documento produzido pela UNESCO, em 1969, e que se diz contra esse suposto mau uso da música. Moozak, de acordo com o livro, é a redução da música a ruído de fundo, som ambiental, ou, simplesmente, a música para não ser ouvida. São as discretas músicas de elevadores e supermercados. O documento da UNESCO dizia que tais músicas eram uma “invasão à liberdade individual” e pede ao Comitê e às autoridades competentes, “medidas capazes de pôr fim a esse abuso”. Uma petição altamente conservadora e difícil de entender hoje em dia, afinal a tal Moozak ainda existe e, quando não relaxante, simplesmente nos passa despercebida e sem incômodos ao ouvinte, seja no elevador, no restaurante ou no mercadinho da esquina.

O terceiro e último capítulo desta segunda parte d’A Afinação do Mundo refere-se a essa mudança de percepção da música. Para os apreciadores de tal arte, este talvez seja o melhor capítulo do livro, afinal não só trata de canções e melodias, como também da história da música em si, citando nomes como os de Beethoven, Wagner, Weber etc, além de suas respectivas composições. Aqui o autor discorre da relação do músico com a atmosfera na qual este vivia, sugerindo em vários momentos quais seriam as inspirações de alguns deles, como os motivos para Haendel e Haydn descreverem tão bem a natureza em suas obras, enquanto Beethoven usava de elementos industriais em suas composições. Pena Schafer expor aqui suas idéias de uma maneira tão restritiva, o que dificulta bastante o entendimento de um leigo. Ao meu próprio exemplo, a única de suas considerações que compreendi se referia ao uso dos pássaros como um contraponto à brutalidade na ópera do Anel dos Nebelungos, de Wagner, a única das citadas que conheço com certa profundidade. Devido a isso, capítulo acaba por deixar certo grau de frustração no leitor desavisado.

Aliás, essa parece ser a conclusão de todo o livro, ou pelo menos desta segunda parte, pós-industrial, aqui referida: a frustração diante de um monólogo altamente restritivo. Sem contar muitas conclusões e acusações do autor, por vezes infelizes ou deliberadas. Como o fato de dizer que, “se o canhão não fizesse barulho, não seria usado na guerra”, como se apenas o som fosse capaz de intimidar. Ou o momento em que compara um carro a um ânus e ainda cita Freud, em contexto deslocado, como para dar mais importância à amalucada comparação. Ou ainda sua irritação ao contar que uma aeromoça interrompeu uma obra de Wagner para anunciar que os banheiros do avião estavam entupidos.

Apesar de parecer enfadonho e às vezes desequilibrado, o livro de R. Murray Schafer tem seu quê de pragmático, tentando resgatar o paraíso auditivo inicial do homem e propondo um programa sistemático de treinamento dos ouvidos para escutarem de maneira mais distinta os sons, em especial os do ambiente. E ainda expõe, mesmo que de maneira não muito clara, alternativas para que o homem contemporâneo – imerso em um mundo de sons e ruídos que muitas vezes passam despercebidos – não ensurdeça perante a parafernália sonora que ele mesmo criou.

O Barril de Amontillado (Brasil, 2009)

Banner BarrilBaseado na obra homônima de Edgar Allan Poe, apresento abaixo “O Barril de Amontillado”, curta-metragem de 3 minutos produzido pela minha equipe da faculdade.

Para assistir em “tela cheia/inteira” clique no penúltibo botão da janela do vídeo.

Detalhes técnicos:

Foram cerca de duas semanas de pré produção.
Mais de dois meses de produção.
Porta volta de 16 horas de gravações (em um único dia).
E outras duas semanas de pós produção.
Gravado em half HD (aqui no Covil tem apenas metade da qualidade do DVD).
Formato 16:9 (widescreen).
A catacumba foi construída no estúdio da faculdade.
Para o salão de festa foi usado como locação o hall do Salão Nobre da UMESP.

Ficha técnica: Se encontra nos créditos finais do filme. Portanto assiste e leia!

 

Links relacionados:

Pasta de Direção de Arte
Meu Primeiro Filme! Não Percam!!!

Meu Primeiro Filme! Não Percam!!!

Como já disse num outro post, a faculdade tem roubado todo o meu tempo e até mesmo toda a minha inspiração para escrever aqui.
Dentre outros trabalhos que tanto me estressaram, o principal foi este apresentado abaixo, o Projeto Integrado de 5 disciplinas que foi desenvolvido durante todo o semestre e está finalmente pronto!

Banner Barril

Barril de AmontilladoNa Itália do séc. XIX, Montresor, um jovem burguês, já não suporta toda a humilhação que sofria por seu “amigo”, o nobre Fortunato, sempre superior e arrogante; esnobe mesmo em seus momentos mais ridículos.

Decidido a acabar de vez com sua desonra, Montresor arma sua vingança e, com frieza e metódica, sob o pretexto de possuir um barril do raríssimo vinho de Montilla, consegue atrair Fortunato para sua vingança.

O Barril de Amontillado (Brasil, 2009) é baseado no conto homônimo de Edgar Allan Poe e foi produzido para as disciplinas de Direção de Arte, Roteirização, Design Sonoro, Edição e Direção de Fotografia do 5º período do curso de Rádio e Televisão da Universidade Metodista de São Paulo.

Com direção de Andrews Nascimento, Fotografia de Willian Melo e Direção de Arte de J. V. V. B. Militani (ou seja, eu, o Snaga), o filme conta com 3 minutos. Porém foi pré-produzido em duas semanas, produzido em 2 meses, gravado em 1 único dia e pós-produzido em 2 semanas.

Barril de Amontillado2Minha opinião? Modéstia à parte, a Direção de Arte é o carro chefe do filme. Ele é bonito, e só! Não digo isso por ter sido eu o Diretor de Arte, mas porque é a verdade. O roteiro possui grandes falhas (mesmo com o bom argumento que possuía originalmente), em parte pela má adaptação, em parte devido aos cortes obrigatórios para encaixarmos toda a história dentro dos 3 minutos exigidos pelo projeto acadêmico.

A Fotografia também, devo lembrar, é um espetáculo à parte. E a edição final, feita por Cristiano Siles salvou boa parte do filme, que contava com erros crassos. O resultado, deste modo, é um bonito filme, porém de difícil ou nenhum entendimento!

Portanto não percam: O Barril de Amontillado, com Diego Chimenes e Dionísio Pavan! Em julho, aqui no Covil, ou no YouTube mais próximo de você!!!

Para quem se interessar, o conto original pode se lido na sessão de contos aqui do Covil. Basta clicar aqui.

Abaixo, algumas fotos do dia de filmagens:

DSC_0088  DSC_0031  DSC_0067

  DSC_0057 

DSC_0041  DSC_0017  DSC_0160 

DSC_0068  DSC_0026  DSC_0132

DSC_0134  DSC_0172