A Metalinguagem de ‘Pássaro Livre’

A liberdade é uma dádiva conquistada com sacrifícios, mas para entendê-la em todo o seu significado, é preciso, antes, perdê-la por completo. É sob essa premissa que se desenvolve Pássaro Livre, o romance de estréia da jornalista Déborah Vieira, publicado de forma independente através do Clube de Autores.

Não se engane, porém, imaginando que o livro se trata da liberdade física, de personagens enclausurados por trás de barras de ferro. O conceito ali abordado vai muito além dessa concepção, trabalhando aquela liberdade de pensamentos e escolhas: uma clausura criada a partir das relações humanas.

Anne é uma jovem escritora, formada em letras e sem muitas perspectivas nesta área profissional. Há oito anos namorando com Daniel e recentemente morando juntos em São Paulo, ela vive de seus sonhos mais que de sua realidade. Apesar de amar o namorado, vê-se frustrada em uma relacionamento estagnado; com um diploma nas mãos, ainda mostra-se incapaz de conseguir um emprego; mesmo com o forte desejo de ser reconhecida como escritora, ainda se mostra reticente e desencorajada com seus textos: sua vida, portanto, é uma sequência de expectativas e projeções de um futuro promissor, barrado por um presente desfavorável.

Para fugir da frustrante realidade em que se encontra, Anne tece fantasias com o grande ídolo de sua vida, o homem que ela mais admira e deseja: Eric West, um astro do cinema Hollywoodiano. Os filmes de West são o passatempo e o remédio favoritos da protagonista, como uma meta inalcansável a qual ela nem sequer se dedicar a atingir.

No entanto a jovem desempregada, perdida na maior cidade do país e entristecida com o descaso do namorado, vê-se, de repente, no braços do grande ator do cinema. Tudo parece um sonho, mas Anne parece estar realmente lá, vivendo na Califórnia como uma escritora famosa, que terá seu primeiro best-seller adaptado para as telas de todo o mundo. O ator principal deste longa-metragem? Seu novo namorado: Eric West!

Com um texto leve e personagens cativantes, Déborah Vieira narra uma história complexa, com três diferentes pontos de vista. O mesmo enredo é alternado a cada capítulo, sendo, cada qual, descrito sob o ponto de vista de um personagem diferente. O que a princípio parece confuso, torna-se aos poucos uma maneira de identificar as intenções e se aprofundar na mente de cada um deles: o empresário amoroso, o ator interesseiro e a escritora sonhadora.

Através dessas visões, a autora trabalha a liberdade em seu conceito mais amplo. É através das escolhas da protagonista, Anne, que o livro apresenta seus valores de vida e felicidade, ponderando entre sucesso profissional e pessoal.

É possível ainda perceber uma metalinguagem na obra de Déborah, ligando a ficção à realidade da autora. Se aqui cabe uma especulação, é possível traçar paralelos: tanto autora quanto personagem são recém-formadas em cursos que guardam certas semelhanças entre si (jornalismo e Letras), ambas em busca do sonho do primeiro livro e na expectativa do sucesso. Não um romance auto-biográfico, mas o mundo literário servindo de tema para si próprio.

Como expõe Sérgio Sá em seu livro A Reinvenção do Escritor, há algum tempo a literatura latino-americana vem se dedicando cada vez mais a si mesma – afinal, em um mundo de imagens e sons, as dificuldades em se trabalhar com texto são tão grandes e a influência do cinema e da TV são tão fortes que acabam por se tornar o tema principal dos autores deste canto do mundo. Em Pássaro Livre, Déborah Vieira não fugiu à essa regra.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s