Não, Obrigado. Obrigatoriedade!!!

Por 8 votos a 1, o STF decidiu que agora
não é mais necessário ter diploma de jornalista
para exercer a profissão.
E a polêmica tomou conta do país!
E o Magá, como estudante de jornalismo,
não poderia deixar de dar sua opinião, expressa abaixo:

Jornalismo

Por Lucas Magalhães

JornalismolateralA noite da última quarta-feira, 17 de junho parecia terminar como muitas outras, jogo de futebol, jornal, sono. Mas, como eu, muitos estudantes de jornalismo, por pouco não perderam o prazer do descanso, quando o noticiário deu a nota que abria aquela edição, “STF derruba a obrigatoriedade do diploma para o exercício da profissão de jornalista”.
A frase caiu como um punhal. Frustração. Medo. Revolta e indignação não faltaram naquele momento.

Por 8 votos a 1, o Supremo Tribunal Federal derruba uma lei que vigorou quarenta anos no país. Foi um ato legal, mas insano. Talvez comparado à muitas insanidades legitimadas pelo direito brasileiro.

Uma decisão do judiciário que coaduna com o senado proporcionalmente mais oneroso do que o de países maiores e mais desenvolvidos, como os EUA. Com um legislativo que usa o dinheiro público para viagens particulares de amigos, esposas e namoradas. Enfim, uma última revolta sobre esse prisma, cabe dizer aqui, que foi uma decisão própria para um Supremo Tribunal Federal em que seus participantes trocam ofensas do tipo, “Vá às ruas, Ministro Gilmar Mendes” já dizia a voz do Ministro Joaquim Barbosa. “Vá às ruas…” Lembro ainda, na voz do mesmo Barbosa, “vossa excelência está desmolarizando a justiça neste país”, bradava o magistrado. Acusações ocas? Sem frutos? Mas que neste momento comprovam sua fundamentação. Vá pra rua Ministro Gilmar! Vá pra rua! Assim pudéssemos parafrasear, todos nós, estudantes de jornalismo do país.

Bem, foi um golpe duro e injusto. Uma das teorias estudas no curso de jornalismo nos ajuda a analisar um dos principais argumentos para derrubada da obrigatoriedade do diploma. Facilitando o entendimento, segue, segundo a Análise do Discurso, existe um dizer implícito nos atos e falas de quem enuncia. Exemplificando, ao vetar a obrigatoriedade do diploma para o exercício do jornalismo esse atual STF está mostrando ao que se convencionou chamar de “quarto poder” quem realmente manda neste país.

O ministro Gilmar foi acusado, por seu colega Barbosa de não estar nas ruas, ou seja, perto da realidade do povo, sentindo os desejos e necessidades daqueles para quais as leis são feitas. Barbosa disparou na ocasião, “vossa excelência está na mídia!”. Como excelentíssimo está na mídia, para que ter jornalistas com formação histórica, crítica, política, comunicativa e filosófica na cobertura de seu exercício?
Segundo Nilson Lage (1999), informação é utilidade pública, nada melhor para a formação crítica da sociedade do que jornalistas, portanto operários da informação, com senso e formação específica, mas parece que o primeiro poder teme tais profissionais.

Segundo o STF, “a obrigatoriedade do diploma cerceia a liberdade de expressão”. Além de insignificante dizer isso, em uma época de abundantes formas de expressão, a frase que serviu de principal argumento sobre a votação do diploma para o Supremo Tribunal, tem muito a dizer e está sufocada de vozes enrustidas. Em outras palavras o discurso permite interpretar que o Judiciário Brasileiro está bradando: não estudem comunicação, não vale a pena. Claro que não disseram isso explicitamente, o que seria um erro, mas com uma sutileza apenas perceptível a quem está acostumado a analisar certos discursos, percebemos que o veneno foi lançado. Não, não aboliram o curso de jornalismo, fizeram pior, desestimularam a pesquisa e busca pela formação. Deram um golpe também na educação do país.

Bem, tempestade a parte, existem coisas a serem analisadas aqui. Para quem esperava que um papel nos desse a alcunha de jornalista o golpe foi ainda mais mortífero. A escolha pela profissão agora passa a ser uma decisão de foro íntimo e intransferível. O STF fez um favor, tirou a máscara que encobria a profissão de um status ilusório, de um estrelismo ufanista não condizente com a realidade da profissão no Brasil. Não, não temos que pedir bênção ao STF, Congresso e Câmara dos Deputados para nos sentirmos e considerarmos jornalistas, o somos por escolha e esta escolha envolve formação acadêmica e compromisso com a democracia.
Agora, mais do que nunca, os jornalistas com formação acadêmica estão diante do desafio de comprovar por que escolheram estudar esta disciplina, qual é de fato nosso diferencial.
O tempo e outras variáveis vão trazer ainda, muitas respostas, ou contradizer as presentes.

Anúncios

Uma resposta em “Não, Obrigado. Obrigatoriedade!!!

  1. Bem… Só tenho a lamentar. Escrevi kilômetros no meu blog com a minha opinião. Lá está meu comentário.
    Por aqui, só tenho que elogiar mais esse texto de mais um estudante. Cabisbaixo? Não! Ergamos a cabeça e vamos seguir em frente!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s